Make your own free website on Tripod.com
 
1a parte • A noite passada
Cassiano passara a noite de sexta para sábado sem dormir, como houvera feito outros três dias desta mesma semana.
As olheiras já despontavam em sua face, mas não o bastante para chamar atenção. O bar onde ele estava era até que bonito, mas aquilo que ele bebia ainda estava muito longe de ser chamado de vodka. Pelo menos era um lugar sossegado.
- Tem alguém sentado aqui? - disse uma mulher alta e com uma roupa curtíssima, o que fez Cassiano suspeitar da idoneidade da moça.
- Ao que parece não. - respondeu ele de um modo frio, quase agressivo.
- Então será que eu... A moça já ia desabar o corpo sobre a cadeira quando Cassiano a impediu.
- Eu não a convidei.
- Qual é cara ? Você não gosta de mulher?
- Gosto, mas não é por causa disso que eu preciso gostar de você.
A moça saiu pisando duro como se houvesse recebido a pior das ofensas. Mas Cassiano não gostava nem um pouco de como aquela mulher ganhava a vida e não sentiu-se arrependido pelo que fez.
Além da moça representar uma das coisas que Cassiano mais odeia, ela o pegou num dia ruim. Haveria um cerimônia no sábado, Marcellus e Valéria os dois Order of Hermes se casariam e durante a festa seria anunciada a união entre todas as Tradições para lutarem contra a Tecnocracia.
Cassiano fora convocado como representante Cult of Ecstasy, embora tenha negado tal autoridade perante ao conselho das Tradições, eles insistiram que negar o convite seria uma afronta ao Conselho Supremo e significaria que os Cult of Ecstasy não apoiariam a aliança.
"Não era nada disso. Nem eu nem nenhum Cult liga a mínima para isso" pensou Cassiano.
Ele apenas não queria ver Valéria se casando com outro homem. É verdade que talvez nem por Valéria Cassiano mudasse de vida, mas ele preferia acreditar que sim.
Cassiano saiu da cadeira e dirigiu-se a uma sacada de onde dava para ver a cidade.
O que ele fazia era algo muito próximo a andar, porém depois de beber tudo que ele bebeu nem um búfalo estaria de pé. Porém Cassiano sabia que se dormisse agora não acordaria a tempo para o casamento, então respirou fundo na ida para a sacada.
Mas havia algo no chão e ele caiu.
"A luz veio em meus olhos e não podia ver mais o bar, aonde eu havia caído, não sabia sequer se estava vivo. Vi uma casa grande, pessoas vestidas para festa, belas mulheres, comida e bebida. Vi Marcellus, com um traje negro e pesado, estava frio, mas não o bastante para isso. Ele estava feliz e ao seu lado estava Valéria. Bela como sempre, vestida de branco e luz. Então confusão, um cheiro de leite invadiu a sala. Pessoas correndo... Sete se levantaram, catorze lutaram e sete caíram"